Kula® na família

Como funciona nas famílias?

O Kula® vem trazer às famílias 20 minutos de tempo de qualidade em que todos se divertem ao mesmo tempo que desenvolvem as suas competências emocionais. Este jogo estimula a vinculação ao mesmo tempo que harmoniza as emoções e as tensões acumuladas no corpo, combinando as técnicas ancestrais do yoga com a ciência da Psicologia.

 

E como sabemos que um dos motivos que contribui diariamente para a desarmonia familiar, causando discussões é a organização das tarefas domésticas. E uma família é uma equipa, todos têm que contribuir de forma equilibrada para um bem comum.

Resolvemos reforçar a união familiar com a grelha de tarefas e de autoreflexão, que devem usar para discutir sobre os pontos a melhorar em conjunto. Assim podem  trabalhar em equipa para obterem os melhores resultados, através do diálogo e da compaixão.

O objetivo é perceberem que é fácil e normal falhar em alguns pilares. Temos uma vida inteira para melhorar,  devemos dar o nosso melhor todos os dias. Sejam compreensivos uns com os outros. 

Como conversar sobre a grelha de tarefas?

Procurem aplicar os 4 príncipios da comunicação não violenta:

1. Observação: Ok, há um problema. Uma tarefa não foi cumprida. O primeiro passo é observar o que aconteceu, sem julgar. Não é bom, nem mau. Simplesmente é. 

2. Sentimento: Devemos identificar e nomear o que sentimos, assumindo responsabilidade pelas nossas emoções. Isto implica ser vulnerável mas ao contrário do que possamos pensar isso não nos vai tornar frágeis perante os nossos filhos . Vai sim, reforçar a conexão e tornar a reflexão mais fluida porque há honestidade.

3. Necessidade: Agora sim, podemos expressar claramente quais são as nossas necessidades em conjunto com os nossos sentimentos, valores e desejos. É preciso um esforço de auto-consciência para conseguirmos transmitir o que nos fez sentir de determinada maneira.

4. Pedido: Nesta fase devemos concretizar o nosso pedido tendo em conta todas as fases anteriores, pedindo uma ação concreta. Devemos sempre fazê-lo usando uma linguagem positiva, empática. Confiando na capacidade dos nossos filhos.

por exemplo: “Esta semana não arrumaste o quarto, é importante para mim e para o nosso ambiente familiar que haja o mínimo de de organização. Vamos ver nos pilares éticos que qualidade é que podemos trabalhar para melhorarmos nesta tarefa.”

Aqui podem ver em conjunto que pilares é que podem trabalhar e é uma excelente oportunidade para a mãe/pai também pedir desculpa por aquele dia em que teve menos paciência ou não cumpriu o que prometeu. É uma excelente forma de serem pais presentes e conscientes.